Los Angeles – Califórnia

Dia 03/01/14.

  • Los Angeles é a segunda cidade mais populosa dos Estados Unidos. Com uma população de 3 792 621 habitantes, segundo o censo de 2010, é a cidade mais populosa do estado da Califórnia e do oeste dos Estados Unidos. Wikipédia

Viagem a Los Angeles É a terceira vez que o Wilson visita Los Angeles. Eu, é a segunda, pois estive aqui quando o Thomaz tinha 5 anos e estava grávida de 7 meses da minha filha. Que loucura! Voltávamos do Japão numa longa viagem, como as que fazemos sempre. Decidimos parar em São Francisco. Aí pegamos o carro e fomos até Napa Vale, Carmel e Los Angeles (escreverei sobre essa aventura). Lembro-me o quanto o Thomaz curtiu… Fomos a Ananhein, localizada no estado da Califórnia, no condado de Orange, ao lado de Los Angeles e sede da Disneylândia original e almoçamos no Balboa Pavilion, antiga estação final da estrada de ferro Pacific Electric Railway. Nos anos 30 e 1940, as bandas Big Band e Count Basie se apresentavam nesse local. Lembro ainda que ficamos no The Península Beverly Hills.

     Durante aquela viagem, passamos pelo Deserto de Mojave. Local explorado para o comércio de pedras que resultaram em cidades fantasmas. Nessa região, temos a cidade de Barstow, usada como base aérea durante a guerra. Sem dúvida, a maior atração do deserto é a cidade de Las Vegas.

     O Red Rock Canyon é de arenito vermelho e resultado da movimentação de placas teutônicas a 3 milhões de anos, e desenhado pelas águas do rio e pelo vento. A vista de um passeio de helicóptero, o caminho e a própria cidade de Sedona, são outros atrativos turísticos.

     O deserto tem suas belezas e suas utilidades. Nas regiões dos rios Sonoma, Rússia e Napa está o clima perfeito para o cultivo de uvas. Naquela nossa visita, passamos pelo Clear Lake, maior lago de água doce da Califórnia. O passeio é maravilhoso, especialmente quando está com criança já que vimos praias, animais e um enorme parque com águas frias onde vivem centenas de leões marinhos e outros bichos.

     Quando falamos sobre essa viagem, o Wilson lembra que na estrada desértica, muito longa e deserta, nunca se imagina que poderia haver polícia, mas de repente apareceu uma “xerife” gorda que fez a gente parar. A nossa desculpa foi a minha gravidez, que não comoveu nem um pouco a “xerife”. Ela nos disse que seria melhor para mim e o bebê meu marido não correr muito. Ela deixou claro que estávamos sendo monitorizados. Isso em 2003. Imagina agora com os recursos tecnológicos como é o monitoramento.

     Entrando em Los Angeles, próximo do hotel onde iríamos ficar, o Wilson sugeriu ao Thomaz que fosse no teto solar do carro. Fui contra a ideia, mas… O menino foi e novamente a polícia nos parou na frente do Hotel. Eu saí do carro e deixei os dois lá. Até hoje, o Wilson me cobra por ter deixado levar a bronca, sozinho. Mas eu tinha avisado.

     Fizemos, também, um agradável passeio de três horas de trem com a Napa Valley Wine Train (www.winetrain.com). Na viagem é servida refeição no luxuoso restaurante do trem, com a melhor cozinha country da região. O passeio é muito lindo, a comida é maravilhosa. O difícil foi voltar do longo almoço regado a vinho. O sono e uma confortável convidavam a dormir.

Tenho muitas histórias dessa viagem que vou contar em breve.

 

 

Vamos voltar ao passeio mais recente.

 

Hoje, segunda-feira, é dia de reunião no Hotel Fazenda Foz do Marinheiro. www.fozdomarinheiro.com.br . Acordam 5h, em função do fuso horário. Íamos ao Rodeio Drive, mas resolvemos conhecer a cidade e somente aí que percebemos a sua grandeza. O Wilson conta que na primeira estada dele aqui saiu com os amigos Vitor Batista e filhas para um jantar e, ao voltar para o hotel, viam o prédio e quanto mais eles andavam, mais longe ficavam. Até que tiveram que chamar um táxi e pedir ajuda.  Afinal, a 35 anos não havia o abençoado GPS ou Google Map. E hoje, mesmo com a assessoria da tecnologia, não conseguíamos chegar em nosso destino. Íamos para Marina del Rei e andamos muito até chegar. Um pouco da razão é a teimosia do Wilson que briga com a portuguesa do GPS, como se ela estivesse ali. Conseguimos chegar por meio do Google Maps, após muito errar.

Tentamos ir pela Vernice, mas não foi possível. Os canais de Vernice foram feitos em 1910 para revigorar e dar charme a Los Angeles, porém os movimentos das marés foram esquecidos e hoje, alguns canais foram entupidos por problemas com esgotos.

Chegamos a Marina Del Rey, enorme, com centenas de barcos, restaurantes e infraestrutura completa para os navegantes e esportistas. A qualquer hora do dia encontram-se crianças com patins, bicicletas, andando e passeando. Almoçamos em um dos muitos restaurantes e voltamos.

Eu fiquei na Rodeio Drive, a rua mais famosa do mundo por seu luxo e arquitetura. A suntuosidade das lojas é igual ao preço das mercadorias. Claro que é um passeio maravilhoso, mas se for comprar prepare-se.

Numa das travessas tem a Sax e outras lojas de departamento que atendem a qualquer gosto e onde é possível aproveitar uma promoção.

Os Estados Unidos, neste sentido, são impressionantes. A cada um ou dois quilômetros você tem um centro comercial enorme, com farmácias e lojas que se repetem. A logística para o trânsito e estacionamento é incrivelmente bem pensada.

Voltamos para o hotel, mas nos perdemos e após 2h andando de carro no trânsito à noite, o Wilson aceitou ajuda, e foi com o Google Maps que conseguimos chegar.

Tentamos ir pela Vernice, mas não foi possível. Os canais de Vernice foram feitos em 1910 para revigorar e dar charme a Los Angeles, porém os movimentos das marés foram esquecidos e hoje, alguns canais foram entupidos por problemas com esgotos.

Chegamos a Marina Del Rey, enorme, com centenas de barcos, restaurantes e infraestrutura completa para os navegantes e esportistas. A qualquer hora do dia encontram-se crianças com patins, bicicletas, andando e passeando. Almoçamos em um dos muitos restaurantes e voltamos.

Eu fiquei na Rodeio Drive, a rua mais famosa do mundo por seu luxo e arquitetura. A suntuosidade das lojas é igual ao preço das mercadorias. Claro que é um passeio maravilhoso, mas se for comprar prepare-se.

Numa das travessas tem a Sax e outras lojas de departamento que atendem a qualquer gosto e onde é possível aproveitar uma promoção.

Chegamos em Los Angeles, no Hotel Mr. C Beverly Hills (Beverwil Dr, 1224, +1 877-334-5623), da rede The Leading Hotels of the World. Desta vez, não havíamos feito as reservas por meio da empresa, mas com a carteirinha de identificação da rede tivemos os benefícios, internet gratuita e café da manhã. A vantagem de ser sócio da rede é que, em qualquer local, tem a certeza de bom atendimento e a cada 5 diárias uma é gratuita.

Ao abrir o apartamento tivemos uma surpresa. Várias caixas compradas e enviadas para nós. Meu Deus! Pretendíamos descansar, mas fui abri-las e acomodá-las nas malas. Enfim, tudo deu certo. As embalagens aqui são imensas para proteger as compras e não dar nada errado. http://www.valeriafoz.com.br/category/artigos/

Fizemos uma reserva no Hotel Cipriano (Mr. C Beverly Hills). O restaurante Cipriani, que está na quarta geração, foi criado em 1931, por Giuseppe Cipriano. Sua proposta é ser um local onde o simples faz o luxo. A decoração sóbria, com serviço descontraído e elegante, experimentamos a qualidade de sua gastronomia. Após o jantar fomos descansar.

Comments

comments

Leave A Comment